Fight! War of the Dead MSX vs. PC-88 vs. PC Engine (Parte 1 de 3)

hg101trans

logowotd

Por John Szczepaniak – 15 de janeiro de 2011

Fun Factory, às vezes chamada de Fun Project nas telas de título dos seus jogos, é o que há quando se fala em jogos japoneses obscuros. Praticamente não são mencionados em inglês online, e buscas em japonês não traz muito mais m informação. Apenas uns poucos blogs japoneses mencionam um ou dois de seus jogos (como Drainer, para MSX). Na verdade, as únicas coisas deles que parecem ser bem conhecidas são seus jogos da série War of the Dead, também chamada de Shiryou Sensen. E mesmo assim, a Fun Factory às vezes é ignorada em favor da Victor Musical Industries, a publisher do WotD.

Fun Factory é infelizmente apenas uma de inúmeras pequenas empresas que coisas interessantes para vídeogames no milênio passado, mas então faliu, mudou de nome, ou saiu do mercado de jogos para atuar num campo totalmente diferente. É o tipo de empresa que teve um pequeno sucesso com um título de nicho que pode até pode ter atingido um status “cult”, mas então foi esquecida. A ‘série’ WotD é composta de apenas dois jogos: o primeiro foi lançado em três plataformas diferentes, em todas elas é radicalmente diferente. A continuação foi lançada apenas para MSX2 e PC-88, mas ambas são quase idênticas. Nenhuma delas foi lançada fora do Japão e apenas a continuação foi traduzida por fãs (sem qualquer tipo de publicidade), e apenas alguns poucos fãs mais hardcore falam sobre eles.

Shiryou Sensen / War of the Dead – MSX2 (1987)

WOTDMSX2

Capa do MSX2

O  blog de Kevin Gifford é a melhor fonte de informação em inglês sobre o começo do WotD. Como ele explica, muita gente reverencia o Sweet Home da Capcom para Famicom como um dos primeiros jogos de survival horror, especialmente por este ter sido a inspiração para o Resident Evil. De acordo com o Tokyo Metropolitan Museum of Photography, Sweet Home foi lançado em 15 de dezembro de 1989, e como Gifford mostra, o WotD original saiu para MSX em 1987, pelo menos dois anos antes. Suas versões para PC-88 e PC Engine saíram em janeiro e março de 1989, novamente sendo lançada antes de Sweet Home.

Gifford segue com uma menção de uma edição de 2008 da GameSide (uma  revista japonesa dedicada à jogos clássicos obscuros), em que entrevistam a mente criativa por trás do WotD, explicando a origem e história do jogo.

Katsuya Iwamoto, produtor e designer do jogo, contou à GameSide que o projeto, como muitos naquela época, teve seu início em Dragon Quest. “consegui um trabalho como game designer e eles me disseram que eu deveria inventar alguma coisa. Então escrevi a idéia básica em duas ou três folhas de caderno”, ele disse. “Não haviam jogos de terror naquela época, então eu queria mesmo fazer um. Dragon Quest havia me ensinado que poderia contar uma história através dos vídeogames, então eu quis que Shiryou Sensen seguisse essa linha também”. O jogo que ele acabou criando, especialmente em sua encarnação para PC Engine, certamente traiu a inspiração de Iwamoto; ele se joga mais como uma versão atual do Dragon Quest, mas com batalhas no esilo do Zelda II, porque Iwamoto achou que batalhas em turnos usando armas de fogo e lança-granadas seria um tanto estranho.

Ambientado na cidadezinha de Chaney’s Hill, o jogo começa com Lila, uma membro de um time de investigação paranormal do exército americano: S-SWAT (Supernatural and Special Weapon Attack Team). Ela é enviada até o local depois que todas as comunicações foram cortadas e um companhia inteira de marines desaparece sem deixar vestígios. O enredo (que envolve um portal para outro mundo e a família que o protegeu secretamente por gerações) é um pouco de Fuga de Nova York e um pouco de O Nevoeiro do Stephen King, ambos mencionados por Iwamoto como inspirações.

Como foi dito por Gifford, o jogo parece bastante com Zelda II, com o seu mapa geral e batalhas em visão lateral, exceto que não existem labirintos, mas apenas poucas locações interiores, como uma escola e um hospital para explorar. A premissa básica é que a protagonista Lila deve vagar pela cidade, reunindo os moradores e marines sobreviventes e levá-los até a igreja (onde um padre chamado Carpenter, homenagem ao diretor John Carpenter). Isso leva á uma série de quests, já que cada sobrevivente deve ser salvo em uma determinada ordem, se só um pode ser levado á igreja de cada vez.

Todas as três versões do primeiro jogo começam de forma extremamente linear, até você achar o bote, o que possibilita que os rios e o o lago possam ser explorados e toda a cidade fica disponível, dando ao jogo um formato quase “sandbox”. Mas isso é só impressão. A primeira grande falha do jogo é o progresso, apesar da impressão de não-linearidade, é preso num formato bem arcaico de quest de chave+fechadura. Mesmo se você esbarrar num personagem-chave e falar com ele, à menos que os pré-requisitos tiverem sido cumpridos, ele se torna totalmente inútil e você será forçado á vistá-lo mais tarde para ativar o próximo requisito. Isso é irritante se você consegue ler japonês, já que você é forçado á falar com todo mundo repetidas vezes para conseguir pistas, o que torna o jogo praticamente impossível se você não sabe japonês. Se você não conseguir distinguir os nomes mencionados, vai acabar vagando á esmo pelo mapa, na torcida de se esbarrar na pessoa certa para conversar e ativar o requisito necessário para continuar.

Apesar dessa dura barreira de entrada, a “trilogia de entrada” da série WotD vale à pena sere jogada, e a questão do idioma pode ser mitigada com um walkththrough da versão para PC Engine, que deve ser o suficiente até alguém fazer uma tradução real do jogo.

A maioria dos personagens têm nomes baseados em alguém ligado á filmes de terror, e geralmente eles são conectados entre si de alguma forma, como veteranos do Vietnã do mesmo batalhão, ou como amantes em segredo. à medida que você salva mais sobreviventes, detalhes são descobertos nas conversas. Todos os retratos foram redesenhados de versão para versão: o da esquerda é o do MSX, o do meio é do PC-88, e o da direita é do PC Engine.

LilaPC88Lila

Ou possivelmente Laila, Lyra ou Raila, dependendo de como você interpretar o Katakana. Nascida em 5 de junho de 1966, ela é a membro mais nova da S-SWAT (o jogo se passa no fim dos anos 80). No fim das contas ela nasceu em Chany’s Hill, e tem poderes psíquicos (representados pela barra verde no jogo). Eles permitem que ela aumente o poder de uma arma temporariamente, e à medida que sia barra psíquica aumenta, também aumenta a sua defesa.

CarpenterPC88Carpenter

Nome em homenagem ao diretor de cinema John Carpenter. É o padre da igreja que sobreviveu ao ataque inicial dos monstros. Ele cuida dos sobreviventes feridos e geralmente dá dicas do que fazer em seguida.

CarriePC88Carrie

Quase com certeza baseada no livro Carrie, a Estranha de Stephen King, que foi lançado em filme em 1976. É a primeira sobrevivente juntamente com Carpenter. Ela estuda folclore na Universidade, e Whitman é o seu professor. Ambos se tornam amigos de Lila e aparecem na continuação do WotD.

HarvardMSXHarvard

Exclusivo da versão para MSX, ele é encontrado na biblioteca que aparece em ruínas nas versões para PC-88 e PC Engine.

WhitmanPC88Whitman

Nome talvez baseado em Walt Whitman. Exclusivo das versões para PC-88 e PC Engine, substituindo Harvard. Professor da Carrie, ele é encontrado nas ruínas subterrâneas de uma pequena ilha no meio do lago.

MayorPC88Prefeito

O prefeito de Chany’s Hill se chama Wells. talvez em homenagem ao escritor H.G. Wells, que escreveu alguns contos de terror. Pouco cooperativo e problemático, ele é o primeiro sobrevivente que você salva. Ele é encontrado na prefeitura.

JanetPC88Janet

A melhor referência em terror que pude encontrar com relação á terror e o nome Janet é a Janet Weiss de Rocky Horror Picture Show (há também um personagem chamado Weiss na continuação do jogo). Aqui ela é uma professora na escola fundamental local, encontrada numa sala de aula, juntamente com Franklin, um pouco traumatizada por testemunhar a morte de crianças no incidente recente.

CarolPC88Carol

Há muitas Carols relacionadas à filmes e livros de terror – difícil saber qual. Escondida no último andar da escola, depois de se separar da sua professora Janet (na versão para MSX ela está dentro de uma caixa). Ela não pode ser salva até você salvar Wells. Depois de encontrá-la, você deve salvar sua professora e então voltar.

FranklinPC88Franklin

Ambos atores Pamela Franklin (A Casa da Noite Eterna) e John Franklin (Colheita Maldita) são conhecidos por estrelarem filmes de terror. O sargento boca suja é um sobrevivente das tropas enviadas inicialmente. É encontrado na escola.

GordonPC88Gordon

Primeiro sargento das tropas enviadas inicialmente e comandante de Franklin. na versão para MSX, ele ensina Lila várias técnicas. Adora um bom cigarro.

RomeroPC88Romero

Homenagem ao diretor de cinema George Romero. capitão da S-SWAT e grande líder, ele é encontrado nas ruínas da ilha, onde ele foi atacado por monstros e ferido.

CronenburgPC88Cronenburg

Homenagem ao diretor de cinema ‘body horror’ David Cronenburg. Superior de Lila, ela é a comandante-assistente da S-SWAT. Ela tem poderes psíquicos extremamente poderosos. É encontrada sob o cemitério.

CameronPC88Cameron

Provavelmente uma homenagem ao diretor de cinema James Cameron, já que vários de seus primeiros filmes tinham elementos de terror. Segundo tenente da S-SWAT – uma vez resgatado, ele te dá a escopeta.

WesPC88Wes

Provavelmente uma homenagem ao diretor de terror Wes Craven. Personagem misterioso com o sobrenome Browning, que fica aparecendo randomicamente.

PeterPC88Peter

Veterano durão do Vietnã, dono de uma farmácia local. No fundo é um cara legal. Ele não deixa a loja até mais tarde no jogo, quando ele te dá o lança-chamas. Ele, juntamente com Fran e Peter, têm seus nomes baseados provavelmente no trio de personagens do Despertar do Mortos original.

DrBasuPC88Dr. Bus

Mais tarde no jogo ele é encontrado no necrotério subterrãneo do hospital, fazendo autópsias e tentando descobrir a causa dos eventos recentes. Ele te dá achave para a sala trancada do segundo andar.

SandraPC88Sandra

Enfermeira trabalhando para o Dr. Bus, encontrada na sala trancada, cuidando de Patrick. Na versão para MSX ela faz uma transfusão de sangue de Lila para Patrick, o que resulta num evento que explica os seus pesadelos.

PatrickPC88Patrick

Possivelmente uma homenagem ao filme de 1978 de mesmo nome. Encontrado na mesma sala trancada que a enfermeira Sandra. Sofre de terríveis pesadelos. A transfusão de sangue da versão para MSX foi removida nas demais versões, deixando os pesadelos sem explicação.

FranPC88Fran

Ao viajar com seu namorado Stephen pelas montanhas, eles acabam separados quando os monstros atacam. Ela se esconde na cabine de madeira do lado leste do mapa. Teimosamente ela se recusa à ser resgatada, preferindo esperar por Stephen.

StevenPC88Stephen

Na versão para MSX ele é morto antes que possa ser resgatado. nas versões seguintes ele é encontrado na loja de Peter, procurando por comida. Quando ele é levado à igreja ele te dá uma luz especial.

OmadonPC88Omadon

Uma índia nativa americana, ela é a pessoa mais velha de Chany’s Hill. Geralmente vive uma cabine de madeira ao leste do mapa. Ela sabe bastante sobre as lendas antigas, e traz luz aos eventos recentes.

Como mencionado pelo seu criador, Katsuya Iwamoto, o jogo copia Dragon Quest, mas em um enredo de terror. O movimento é lento e casa-a-casa, enquanto ações como falar, procurar e pegar itens precisam ser selecionados em um menu em inglês. Combates são randômicos como em Dragon Quest, exceto que são em tempo real ao invés de serem em turnos. Você fica confinado á uma única tela com um ou mais inimigos, sendo que a energia de todos é mostrada numa barra coletiva na parte de baixo. você tem atirar neles, matá-los à faca, ou fugir. Você pode escapar da maioria dos combates chegando ao lado direito da tela, ou pressionando contra o lado esquerdo da tela por algum tempo (a quantidade de tempo varia, geralmente em proporção à dificuldade do combate do qual está tentando fugir).

E aqui está o primeiro problema. Enquanto a maioria dos RPGs inicia um combate randômico depois que se anda um certo número de passos, ou sorteia um número randômico cada vez que você anda, aquele ele here sorteia um número para cada segundo de tempo real que se passa no jogo, o que significa que é bem possível ter duas lutas em sequência, com um segundo de diferença entre elas, sem sequer tocar no controle.

A abertura mostra Lila de pé na frente da igreja do jogo, e dentro dela é o único lugar seguro, sem combates. Interessantemente, o jogo tem um ciclo contínuo de 24 horas com dia e noite, juntamente com um contador de quantos dias você sobreviveu. Apesar de não ter nenhum efeito nas mecânicas do jogo, ainda sim é uma idéia muito legal, e há cerca de meia dúzia de períodos distintos de luz e escuridão dependendo da hora. O amanhecer é sombrio, a manhã é agradável, meio-dia é bastante brilhante e meia-noite é totalmente escura. À qualquer momento você pode escolher dormir (entre 1 a 9 horas) usando o menu, o q acelera o tempo e recupera energia. Mesmo podendo dormir em qualquer lugar, nenhum inimigo te atacará, e dormir 9 horas completas recupera apenas um pouquinho de energia.

Ao sair da igreja, você só tem a habilidade de socar, atacar com a faca ou atirar com uma pistola básica, que começa com 99 balas. Munição é escarça e é apenas encontrada em esparsos contêineres. Até você encontrar uma arma melhor, é possível usar energia psíquica para aumentar o poder de sua arma temporariamente, mas isso só dura um único combate, e só pode ser usado um número limitado de vezes entre pausas para dormir, logo precisa ser usado com sabedoria. Há um sistema de níveis, mas a progressão é invisível ao jogador, já que os ganhos de experiência ocorrem por trás, sem o conhecimento do jogador.

Esta é outra fonte de irritação no jogo. Você está constantemente muito fraco, e o jogo não checa o seu estado com relação à energia e armas antes de começar um combate randômico. Muitas vezes ele te joga vários inimigos de nível alto em você, que nem mesmo pode ser feridos pela sua arma atual, e demora muito para conseguir fugir deles (ou, no caso de inimigos “chefe”, você não consegue escapar de jeito nenhum). Mesmo quando você encontra uma combate de nível baixo, como zumbis, por exemplo, um grupo grande deles pode consumir facilmente todas as suas 99 balas antes de ser derrotado. A faca é mais forte, e mata vários inimigos de uma vez, mas requer chegar perto de um inimigo que pode matá-lo instantaneamente. Isso geralmente se torna mais fácil ao se abaixar para atacar, que aumenta o alcance da sua faca ao mesmo tempo de que torna mais difícil do inimigo te acertar. A arma “bush knife” que você consegue mais á frente no jogo é maior que a faca padrão e permite que você cause dano nos inimigos simplesmente encostando neles, estando com a arma em punho ou não.

Apesar de ser um tanto difícil, a versão para MSX2 tem um mundo um tanto menor que das versões posteriores. Por exemplo, você encontra o bote em uma caixa no sótão da escola, o que é muito mais perto da igreja que nos outros jogos, enquanto a área de água navegável é consideravelmente menor. Algumas construções, como a casa de barcos, simplesmente não estão presentes, e é muito mais fácil de se chegar ao cemitério. na verdade, os mapas mudam bastante entre as versões. Dito isso, o jogo ainda faz sua parte para tornar o pequeno mundo bastante frustante de se explorar. Há incêndios por toda a parte, bloqueando o seu caminho, que acabam tornando tudo num labirinto.

A versão para MSX2 ainda conta com algumas coisas exclusivas, como o sobrevivente e vários NPCs mortos adicionais cujos os corpos você pode encontrar, além de um punhado de inimigos extras e um chefão final exclusivo. Ela também contém itens que não aparecem nos outros jogos, como o saco de dormir, que aumenta a recuperação de energia quando se dorme, e óculos de visão noturna que melhoram seus ataques no escuro.

Mais de uma fonte online diz que a versão para PC Engine é a única que tem música, mas na verdade ambas as versões para MSX2 e PC-88 tem músicas bastante decentes e atmosféricas. As músicas do MSX2 do mapa geral e do menu são até mais sombrias que as das versão para PC Engine.

Galeria (MSX2)

Vídeo

Em breve: Parte 2 – War of the Dead no PC-88!

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

w

Conectando a %s