King’s Valley II: The Seal of El Giza (MSX/MSX2, 1988)

HG101_logo_SMALLER

kv2

King’s Valley II: The Seal of El Giza / Ōke no Tani: El Giza no Fuuin (王家の谷 エルギーザの封印) – MSX, MSX2 (1988)

King’s Valley II segue a mesma premissa e conceito básico do primeiro jogo, mas os refina em todos os aspectos possíveis. O mais importante, é um jogo muito mais longo. As fases podem ter até seis telas de tamanho, e agora existem 60 delas. Algumas até dão a vota horizontalmente ou verticalmente, para aumentar a sua confusão. Já que agora o jogo não pode mais ser facilmente terminado em uma única partida, senhas são usadas para salvar o progresso conquistado. Mas no fim das contas, a maior novidade é o editor de fases, que permite criar desafios infinitos.

A população de múmias diminuiu consideravelmente deste a última escavação, restando apenas as espécies branca e dourada. Ao invés delas, o explorador é frequentemente atacado por estátuas que pulam e rochas que ganham vida esporadicamente. Além das facas, você pode se defender com bumerangues, também.

kingsvalley2-6

King’s Valley II (MSX2)

Aparentemente os ladrões de tumbas desta pirâmide estavam muito melhor equipados – picaretas ainda funcionam, mas agora o jogador também pode encontrar britadeiras para cavar o solo direção horizontal. Pás e martelos também servem para a mesma coisa, com a diferença que eles só cortam metade do bloco. Há também uma variedade de novas armadilhas e dispositivos: pontes que desabam se você passar por elas duas vezes, Portas que volta à posição depois de você passar por elas, e blocos movíveis que bloqueiam o caminho. De forma geral o design das fases é mais complexo, mas também mais interessante. As últimas fases são mesmo de quebrar a cabeça. Apenas uma vez ou outra o jogo desaponta com erros de design, que na maioria das vezes forçam o jogador á esperar a tendência dos inimigos de se consumirem espontaneamente.

Existem versões para ambos MSX 1 e 2, mas já que as fases não tem rolagem de tela em nenhuma das versões, a maior diferença é a paleta de cores maior do MSX2, e sua resolução maior, que permite mostrar as informações de status na tela. O primeiro jogo contava com um visual pictográfico bem minimalista, mas neste jogo eles agora contam com um “chibi”, fofinho. Tudo é maior e mais colorido, até mesmo no MSX1. A música agora muda à cada duas fases, diferente de seu predecessor, que usava a mesma música no jogo todo, mas algumas desviam completamente do tema do Egito Antigo, duas das quais mais tarde foram remixadas para as fases egípcias do Castlevania: Portrait of Ruin. Em algumas fases você também pode encontrar uma porta secreta para um modo de “music test” escondido.

Quando The Seal of El Giza foi lançado no Japão, quatro revistas sobre MSX em cooperação com a Konami fizeram uma competição de fases criadas pelos jogadores, e os designs vencedores foram lançados num cartucho dourado especial no ano seguinte. Parece que estes só foram dados para os 20 ganhadores, já que a versão dumpada da ROM contém um certificado virtual personalizado.

kingsvalley2-5

King’s Valley II (MSX2)

King’s Valley II é um enorme upgrade sobre o primeiro jogo, e é estranho a Konami nunca tê-lo incluído em nenhuma compilação desde então. A outra única versão é, novamente, uma não-oficial. Publicada pela Aproman em 1989 na Coréia, a versão para MS-DOS do King’s Valley (sem o número no título) tem gráficos monocromáticos, apenas um tipo de inimigo e na sua maioria, novas fases. Outra versão não-oficial foi lançada para o Spectrum em 1994, na Bielorrússia. Apesar de também se chamar apenas King Valley, é baseada no segundo jogo, com suas próprias alterações.

Comparativo de Fotos

Jogos Fan-Made

A cópia descarada em shareware de 2004 Pharao’s Curse para Windows é bem mais próxima do jogo jogo original da Konami. Ela usa praticamente as mesmas mecânicas de jogo, mas vem com um set completamente novo de 70 fases. O visual como um todo do King’s Valley II também inspirou o freeware da GR3 Project lançado em 2005, La Mulana, que também presta homenagem à vários outros jogos de MSX, em particular os jogos da Konami. Em 2013 este jogo recebeu um remake, onde os gráficos que imitavam as limitações do MSX foram substituídos por gráficos modernos, “imitando” 16 bits – esta versão está disponível no Steam.

Vídeos

 

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s