Fight! Last Armageddon (1988)

HG101_logo_SMALLER

Por 

Last Armageddon (ラストハルマゲドン) – MSX2, PC-88, X1, FM Towns, X68000, PC-98, PC Engine CD, Famicom (July 1988)

Last Armageddon é um infame RPG bastante “player-unfriendly” lançado para computadores domésticos japoneses, por um novo desenvolvedor que estava tentando subverter o formato Dragon Quest dos RPGs japoneses. Acabaram-se as cidades e NPCs, foram-se os heróis virtuosos e suas aventuras. Você controla os líderes de uma das doze tribos de de demônios através de um mundo pós-apocalíptico infernal, lutando contra alienígenas e seu exército de bio-robôs pelo domínio da Terra. Em meio à isso, você explora as ruínas da civilização humana, buscando pistas sobre o que causou o apocalipse. É difícil imaginar um conceito melhor que esse, mas o jogo é repleto de decisões de design cruéis, direções mal-explicadas e um ritmo que é hilariamente mal planeja que deixa a experiência longe da ideal.

Last Armageddon foi o jogo mais ambicioso da Brain Grey, criado e escrito por Iijima Takiya. Iijima saiu da empresa após o lançamento para se tornar o líder da desenvolvedora Pandora Box, onde ele trabalharia em outros RPGs, como Burai e Alshark, e eventualmente outro jogo do universo do Last Armageddon. Hoje em dia, Iijima é provavelmente mais conhecido pelos seus contos de terror, das visual novels da série Apathy, e dos romances que ele ainda escreve até hoje.

LA-PCE-04

PC Engine CD

Não há do que reclamar da abertura do Last Armageddon: um monstro batedor, um Minotauro, é brutalmente desmembrado em menos de um minuto passado da abertura do jogo, seguido do logo do jogo, feito no melhor estilo metal dos anos 80, ao som de um apropriado riff pesado. Você então é levado á um banquete no inferno, onde todos os monstros da sua equipe assistem o desmembramento do seu companheiro através do olho de um esqueleto, que aparentemente funciona como projetor. A gárgula é possuída por um parasita alienígena que cava do seu peito até o cérebro e dá um ultimato aos dos alienígenas, que reivindicam o domínio sobre o planeta. Os monstros respondem despedaçando o parasita, com direito à bastante sangue. Com os monstros voltando à sua refeição, eles debatem sobre o melhor a se fazer antes de partir para a superfície.

LA-PC88-03

PC-88

Com uma abertura deste calibre, o que acontece em seguida é estranho e decepcionante. Você é lançado num mundo sem graça de tons cinzas e marrons, com um círculo de pedras à sua volta, na entrada do Inferno. Cada uma das pedras numeradas tem uma dica cifrada escrita nela, sobre a natureza do mundo e dos seus habitantes. À medida que você se aventura além do círculo, você encontra mais pedras, e começa ter encontros randômicos com inimigos, que pode te matar facilmente em um ou dois rounds, até você subir de nível o suficiente.

LA-MSX-12

MSX2

O jogo tem um calendário e sistema de relógio, e mover-se ou abrir o menu avança o relógio. Durante o dia, você controla os monstros da “equipe de dia”, e a mesma coisa para a “equipe da noite”. Você controla também uma terceira equipe, a equipe do “Salvan Day of Crushing”, no último dia de cada mês, que é um dia bem mais longo, repleto de tempestades de areia assassinas.

LA-PCE-20

PC Engine CD

As batalhas são bem no estilo padrão dos JRPGs, mas estão bem abaixo em termos de apresentação. Por padrão, as batalhas são insuportavelmente lentas, mas tem uma configuração de velocidade in-game que as tornam quase toleráveis. cada monstro tem uma uma variedade de ações que ele pode fazer: além dos ataques normais e das magias esperadas, seus monstros geralmente contam com uma série de habilidades especiais, que geralmente são quase inúteis ou quebram o jogo de tão poderosas, e não custam nenhum MP. Um detalhe infame do jogo é que quando um monstro se defende, eles anulam todo o dano que receberiam, ao invés de apenas reduzi-lo. Como resultado, se você defender com três monstros e atacar com um, cada inimigo tem uma chance de  75% de não conseguir fazer nada. Isso é absurdamente chato, mas é uma estratégia legítima para se sobreviver.

LA-PC98-35

PC-98

Subir de nível tem uma certa complexidade, mas ainda há muito “grinding”. Cada um dos status dos seus monstros sobe de nível em separado, baseado no que acontece nos combates. Você aumenta Defense ao se defender, Magical Strength ao usar magias, e assim por diante. Cada magia também tem o sue próprio nível, que contribui para se aprender mais magias no futuro. É um tanto como Final Fantasy II, mas foi lançado poucos meses antes, e é ainda mais fácil de se abusar do sistema. Aumentar Defense é muito fácil, já que a defesa anula todo o dano, logo ficar fazendo grinding disso por algumas poucas e tediosas horas no começo do jogo significam que você simplesmente não vai levar dano pelo resto do jogo.

Uma vez que o um monstro atinge um certo nível, ele se transforma numa forma mais forte e aterrorizante. Eles se transformam três vezes por si mesmos, mas nas duas últimas transformações as coisas ficam interessantes –  você pode combinar seus genes com os de outro dos seus monstros, com 2 ou 3 opções. Isso não faz só com que a criatura resultante seja mais assustadora, mas ela também possui as habilidades, poderes e magias de ambas as criaturas. Com um pouco de planejamento, você pode distribuir características como a resistência física do Slime para monstros mais fracos que precisam dela, ou dar ao G-Snake a habilidade de equipar armas e armadura, tornando-o ainda mais forte.

LA-PC98-12

PC-98

Apesar do rosto do jogo ser em visão aérea, os labirintos do jogo são explorados em primeira pessoa. Os labirintos são completamente desprovidos de detalhes, onde as escadas e os gatilhos dos eventos importantes são invisíveis, e encontros randômicos acontecem à cada poucos passos, o que acaba com a sua capacidade de se orientar pelo labirinto. Alguns dos monstros tem a habilidade de mostrar um mapa do que você já visitou, logo você não fica completamente perdido, mas a experiência básica dos labirintos ainda consiste em  vagar sem orientação, buscando algo invisível que irá causar a próxima cutscene. Mais para frentes os labirintos contam com opções super bacanas, como paredes falsas e teleportes invisíveis.

LA-X1-03

X1

O mundo destruído não tem nenhuma cidade ou loja para se comprar coisas. Ao invés disso, alguns monstros tem habilidades que permite que eles criem itens, armas e armaduras. Derrotar inimigos te dá um dinheiro chamado Jin, que é gasta para se criar itens e equipamentos. Logo a tela de criação de itens é basicamente o menu da loja, mas você pode adquirir os itens mesmo no meio de um labirinto, o que acaba com a necessidade de se preparar antes de entrar neles.

LA-PCE-12

PC Engine CD

Após alguns labirintos, você abre o caminho para a “Torre Sem Volta”. Mas na sua entrada você descobre que precisa ler todos as 108 pedras em ordem para entrar na torre. Não existem uma lista in-game, logo com um pouco de sorte, você tem mantido um registro de todas que você viu até agora! Esta é uma das poucas decisões de design que foi considerada tão ruim que eles a mudaram em um versão posterior – a versão para PC Engine CD exige que você visite apenas 12 pedras vermelhas em específico, felizmente.

LA-PC98-11

PC-98

Uma vez que você consiga entrar, a Torre Sem Volta é um longo e tedioso labirinto de sete andares, mas que premia o seu esforço começando à revelar a história do fim da humanidade. Cada andar ter dá uma interpretação bastante sombria de uma personalidade religiosa ou histórica, e a usa para ilustrar o nascimento de um novo vício humano. A Ganância surgiu quando Noé, avisado sobre o Dilúvio, manteve sua arca em segredo dos seus vizinhos e família para garantir que ele teria madeira o suficiente para construí-la. Ele à contragosto leva sua família à bordo, e leva os animais apenas como comida.

A história da torre chega á uma conclusão que apenas leva á mais perguntas. Os humanos foram quase erradicados por monstros em 1999, mas alguns sobreviveram. Eles focaram suas mentes em sonhos, sonhando com 12 tribos de monstros que queriam ver destruídos por anjos. Por que os humanos criariam monstros apenas para serem destruídos? E isso significa que os humanos ainda existem? Então os monstros são tomados pelo medo, uma emoção nova para eles.

LA-PCE-15

PC Engine CD

Uma revelação menos ambígua é que o topo da torre é na verdade uma entrada para o “Mundo Superior”, um mapa totalmente novo onde se passa. Esta é a superfície da Terra, o mundo humano, como labirintos como o Hospital e a Delegacia de Polícia. Após aprender que os humanos ainda estão vivos em um lugar chamado “Terra da Fantasia”, você precisa “despertar as sementes da humanidade” em cada monstro para eles possam entrar. A Terra da Fantasia tem um “sensor de empatia” em sua entrada para garantir isso, o que é algo hilário.

À medida que você explora os restos deste mundo humano, você deve encontrar um artefato específico que ajuda cada monstro à entender porque os humanos criariam monstros. O Golem encontra um ídolo de barro, evidência de que os humanos tentaram criar humanos com suas próprias mãos, e sente o desespero de saber que eles não se criaram sozinhos. Ele aprende à ter piedade dos humanos assim. O Slime encontra um livro com advertências sobre os resíduos industriais, especialmente a poluição dos mares, com o que ele realmente se identifica. Ele reconhece com horror que os humanos criaram algo terrível para poderem se desenvolver mais.

LA-PCE-16

PC Engine CD

Esta é uma parte especialmente interessante e tocante do jogo, mas que também envolve em cuidar de que monstros estão em sua equipe quando você visita labirintos específicos. Mas o pior é que os artefatos da equipe “Salvan Day” padrão estão espalhados por vários labirintos diferentes, o que significa que você precisa correr por todo o mapa e fazer todos em um único dia, caso contrário terá que ficar matando uma enorme quantidade de tempo esperando que o próximo Salvan Day comece.

LA-PCE-18

PC Engine CD

Você então finalmente entre no Mundo da Fantasia, uma paródia do padrão convencional dos RPGs de fantasia, que foram rejeitados no resto de jogo. Você luta contra guerreiros, magos, orcs e clérigos, e você pode visitar lojas de armas e armaduras, mas elas não tem nada para te vender. Uma vez que um monstro de sua equipe decapita um destes humanos (assim como eles fazem com qualquer coisa que não conseguem entender), você descobre que eles são todos robôs, parte de uma simulação controlada por computador para entreter os humanos, que já se foram faz tempo. O Minotauro fica chocado com o fato que os humanos gostam de algo assim como um RPG de fantasia:

“Fantasia!? Esta é a fantasia dos hnumanos, passar dias numa rotina, repetindo as mesmas simples ações?”

Depois de 20+ horas vagando por labirintos e encontros randômicos, este é um comentário bastante cruel de se ler.

Depois de decapitar o “Rei”  do Mundo da Fantasia, que te dá missões, e derrotar o computador responsável pela simulação, o computador comenta que os monstros parecem ser iguais aos humanos, e os envia para um último labirinto, a Torre de  Controle. Este labirinto é bem curto e é mais do mesmo. Ao chegar ao seu fim, os monstros entram em uma luz misteriosa. O alienígena da abertura do jogo revela que tudo isso era uma simulação criada para lembrar os humanos das qualidades que eles perderam durante de sua evolução como espécie, e os adverte contra continuar seguindo neste caminho. Os monstros ficam maravilhados com os seus corpos humanos restaurados, e a Terra restaurada, novamente transformada num Éden azul e verde.

LA-PCE-22

PC Engine CD

Há muito do que se reclamar do jogo, mas Last Armageddon conquistou seu público. Suas vendas no MSX2 e PC-88 excederam em muito as expectativas, esgotando sua primeira tiragem já no dia do lançamento. Estas vendas financiaram as versões para outras plataformas. Isso provavelmente não foi supresa – este parece ser um jogo bem fácil de se promover. E apesar do jogo ser geralmente mal-falado nos sites de língua inglesa, ele é lembrado com nostalgia nos sites japoneses, chamado até de “obra-prima” em alguns deles. É claro que a compreensão dos diálogos é fundamental ao apelo do jogo, além do fato dos jogadores japoneses gostarem mais de “dungeon crawling”, como fica claro com a popularidade do Wizardry no Japão.

Como já foi mencionado, Last Armageddon foi lançado em várias plataformas. O jogo original, lançado para MSX2, PC-88, X1, e mais tarde para o PC-98, tem uma jogabilidade idêntica em todas as plataformas. Existem grandes diferenças nos tempos de loading e na clareza do texto, assim como várias mudanças nas bordas da tela e nos gráficos das cutscenes.

As versões para X68000 e FM Towns, lançadas mais tarde, oferecem uma resolução mais alta e mais cores, assim como músicas remixadas e cutscenes com vozes dubladas. Além disso, os cerca de 40 monstros da última evolução foram completamente redesenhados, assim como nas versões futuras. Os novos designs no geral são bem melhores, mais variados e mais assustadores, mas eles não se parecem muito com os monstros que originais que eles substituíram.

LA-PCE-08

PC Engine CD

A versão seguinte foi lançada para PC Engine CD e é considerada a melhor. A mudança mais óbvia é que os labirintos em primeira pessoa foram substituídos por versões vistas de cima, além de receberem layouts melhores, com gráficos que ajudam à distinguir entre as diferentes áreas. O jogo agora também tem chefes, enquanto as versões para computador tem simples encontros randômicos ou nada, o que ajuda um pouco no ritmo do jogo. E as suas músicas são as melhores, contando com a trilha sonora remixada, juntamente com faixas completamente novas.

LA-FC-04

Famicom

A última versão, para o Famicom, foi tercerizada para a Advance Communication Company, os desenvolvedores do infame Dr. Jekyll and Mr. Hyde. Dito isso, é uma versão extremamente fiel, mantendo os labirintos em primeira pessoa das versões para computador e os chefes da versão para PC Engine. Mas as limitações de hardware fizeram com que os diálogos sejam bastante concisos, e mais da metade dos monstros foi cortada desta versão. E o pior de tudo é que os combates e o movimento são incrivelmente lentos, tornando o jogo ainda mais arrastado do que antes. E finalmente, a música é totalmente diferente e menos interessante, com influências de surf rock e músicas de som ambiente.

Apesar desta ser a pior versão do jogo, esta é a única que possui uma tradução feita por fãs. Um detalhe: o texto foi claramente traduzido à máquina, e os resultados às vezes são inteligíveis. [N.T.: se você conseguir encontrá-la online – aparentemente ela é tão ruim que foi tirada dos sites de patches de traduções…]

Comparativo de Fotos

Galeria de Monstros

Mais Fotos

Este slideshow necessita de JavaScript.

Vídeos

MSX2:

MSX2 (trilha sonora):

X68000:

PC Engine:

Famicom:

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s