Especial Dragon Knight, Parte 1: Dragon Knight

HG101_logo_SMALLER

Por

dragonknight_a

Dragon Knight (ドラゴンナイト) – PC-88, PC-98, MSX2, X68000, PC Engine (1 de novembro de 1989)

Na segunda metade dos anos 80, o mercado de jogos adultos no Japão ainda estava relativamente inexplorado, e o número de empresas se aventurando neste mercado estava aumentando. Adventures de texto eram o padrão, e não tinha muito esforço sendo feito para mudar isso. Eles eram mais fáceis de fazer e a qualidade não era importante, já que iriam vender por serem eróticos, no fim das contas. E era assim que as pessoas os viam, como jogos eróticos e nada mais, logo qualquer esforço para fazer bons jogos parecia sem sentido. Mas em 1989 alguns amigos, comandados pelo designer e escritor Masato Hiruta, se cansaram de trabalhar para outras empresas de jogos eróticos e fundaram a Elf, para tentar algo diferente. A idéia era simples: fazer um jogo como o Wizardry, mas cheio de garotas bonitas e muita nudez. O resultado foi o Dragon Knight.

120334-dragon-knight-msx-screenshot-title-screen

MSX2

Um RPG erótico ainda era novidade na época – depois de algumas primeiras péssimas tentativas da KOEI no início dos anos 80, Chaos Angels da ASCII e Rance da Alicesoft foram os únicos títulos que o precederam e tinham valores de produção bem mais baixos, tornando o impacto de Dragon Knight muito maior do que o que se esperaria de um simples clone de Wizardry.

masatohiruta-1

Masato Hiruta

Masato Hiruta é mais conhecido como o criador da série imensamente popular Doukyuusei, e outro de seus trabalhos mais famosos é o Nonomura Byouin no Hitobito, um jogo que se tornou um dos best sellers do SEGA Saturn no Japão. Mas Dragon Knight foi o primeiro título à tirar Elf do anonimato, e deve ser a sua contribuição mais importante para a indústria, já que foi o primeiro jogo erótico à se tornar popular o suficiente para atrair a atenção dos jogadores regulares de vídeogame.

120335-dragon-knight-msx-screenshot-the-adventurer-observes-strawberry

MSX2

 

A história começa com o espadachim Takeru Yamato chegando em Strawberry Fields, uma terra habitada apenas por mulheres bonitas. Ele logo conhece Luna, que após testemunhar a sua habilidade com a espada, pede sua ajuda para libertar sua terra de um grande perigo. Takeru tem uma audiência com a rainha, que lhe diz que a Deusa da Água (Water Goddess), que protegia o reino, foi selada pelos Dragon Knights, que então roubaram as seis jóias que ela protegia e invadiram a torre da Deusa (Goddess’ Tower). Temendo pela segurança de seu povo, a rainha ordena que um grupo de guerreiras recupere as jóias, mas cada um deles acaba sendo preso na torre. Os Dragon Knights exigem as instruções de como usar as jóias, e ela será obrigada à ceder se não quiser que suas guerreiras sejam mortas. Agora cabe à Takeru recuperar as seis jóias e salvar as guerreiras capturadas, missão que ele aceita soba condição da rainha lhe realizar um desejo.

Personagens

takeru

Takeru Yamato

O personagem principal, um espadachim que viaja ao redor do mundo em busca de aventura. Ele é meio tarado, mas também é uma boa pessoa, que gosta de ajudar os outros. Dublado por Akira Kamiya na versão para PC Engine.

luna

Luna

A heroína principal, é ela quem apresenta Takeru à rainha e é a primeira à pedir por sua ajuda para salvar o reino. Dublada por Noriko Hidaka na versão para PC Engine.

luusa

Luusa

A mãe de Luna. Ela trabalha no templo e é a principal fonte de cura no jogo. Seu nome só é revelado no Dragon Knight III. Dublada por Rei Sakuma na versão para PC Engine.

neina

 

Neina

A rainha. Ela promete à Takeru lhe conceder um desejp caso ele consiga salvar a Deusa e recuperar as jóias. Como Luusa, seu nome nunca é revelado no primeiro jogo. Dublada por Chieko Nanba na versão para PC Engine.

dragonknightgeneral

Gazelburn

O líder dos Dragon Knights, Ele praneja destruir o mundo, usando a Goddess’ Tower como base para o seu exército. Ele é o único general dos Dragon Knight na versão original do jogo. Dublado por Hirohiko Kagegawa na versão para PC Engine.

120338-dragon-knight-msx-screenshot-town-menu

MSX2

O primeiro Dragon Knight é um “dungeon crawler” bastante simples. Ele só tem uma cidade e uma dungeon de seis andares, logo está longe de ser um RPG longo, mas os jogadores ainda sim recebem muito mais tempo de jogo por seu dinheiro se comparado à outros jogos eróticos da época. Takeru é o único personagem jogável, e ele pode enfrentar até seis inimigos de uma vez. Sas ações disponíveis são um ataque físico, duas magias (uma de ataque e outra  para restaurar energia) e fugir. A magia de ataque é quase sempre inútil, já que gasta bastante MP e tem um poder de ataque baixo (mas acerta todos os inimigos), e fugir tem uma alta probabilidade de falhar, logo a única estratégia viável é usar seus ataques físicos e recuperar energia quando estiver com HP baixo. O balanceamento do jogo é o que se deve esperar de um RPG de 1989, com bastante ‘grinding’ sendo necessário em várias partes do jogo, especialmente no comecinho.

120341-dragon-knight-msx-screenshot-pray-for-me-baby

MSX2

Mas apesar das batalhas serem sem graça, o jogo compensa na parte de exploração. O objetivo principal enquanto se explora a torre é derrotar os Dragon Knights de cada andar e recuperar as jóias que possuem. Para isso, Takeru primeiro precisa conseguir a senha para as suas salas, o que geralmente envolve salvar alguma das guerreiras e descobrir para onde ir em seguida, baseado nas pistas que elas dão. Para completar a dungeon, o jogador precisa encontrar passagens secretas, resolver quebra-cabeças, e até fazer quests por objetos. Não existe automapping, logo desenhar os mapas na mão é a única forma de documentar os layouts confusos dos andares, e o manual do jogo vem até preparado com páginas para se desenhar todos os andares. Felizmente, desenhar os mapas é algo mais fácil do que seria, pois você sabe as suas coordenadas X e Y em todo momento, assim como a direção para qual você está olhando. Anotar as dicas das NPCs também é algo bastante importante, já que elas não as repetem para você.

dragonknight1extra-4

PC-98

Numa época em que a maioria dos jogo eróticos não tinham um visual muito bom, Dragon Knight foi um dos poucos que tinha arte estilo anime em alta qualidade, e um trabalho em CG competente. Ele só usa 8 cores, logo algumas artes são bastante impressionantes se considerarmos a paleta de cores limitada. Sem mencionar a música, que também é melhor do que a maioria dos jogadores costumava ouvir em jogos eróticos, e o cuidado gasto na trilha sonora fica aparente. Cada andar da torre tem sua própria faixa, e a segunda parte do jogo até usa um tema novo para as batalhas normais. Apesar das versões para computador lançadas em 1989 terem um visual e jogabilidade parecidos, a música da versão para X68000 é que soa melhor, devido ao chip de som OPM.

dragonknight1-6

PC-98

Apesar de ser um jogo erótico, Dragon Knight não contém cenas de sexo, apenas nudez feminina. Mesmo assim, os gráficos são bastante explícitos e não tem a típica censura pixelada usada em mídia erótica japonesa. Há algo incômodo nestas cenas, já que geralmente as mulheres são despidas contra à sua vontade e às vezes as imagens dão à entender que houve abuso sexual, ou que o abuso iria ocorrer se Takeru não chegasse à tempo. Este desconforto segue pela maioria das continuações, também.

dragonknight1-2

PC-98

Finalmente, este não é um grande jogo em nenhum sentido, mas a combinação de garotas bonitas, arte e músicas decentes e elementos reais de RPG fizeram dele um grande sucesso, e acabou vendendo mais que qualquer outro ‘eroge’  da época. A Elf começou a ganhar a atenção dos fãs e das revistas de eroges , e até merchandise, como livros, capas de travesseiro e CDs de drama com dubladores famosos foram vendidos, pela primeira vez nesta indústria. A Elf tinha acabado de dar o primeiro passo para se tornar a empresa de jogos eróticos mais popular de todos os tempos.

388691-dragon-knight-graffiti-turbografx-cd-screenshot-the-new-graffiti

PC Engine (Graffiti Mode)

Um remake foi lançado pela NEC Avenue em 1995 para o PC Engine, chamado Dragon Knight & Graffiti, em referência ao novo “Graffiti Mode”, que é apenas uma galeria com arte e detalhes sobre cada personagem de cada um dos três primeiros jogos. Já que fazia seis anos que o original havia sido lançado, e depois do lançamento dar versões para PC Engine do segundo e terceiro jogos, ele conta com um roteiro revisado, com referências às suas continuações. Os combates agora contam com sprites animadas dos inimigos, que ficou bem bacana. Mover-se pela dungeon agora também tem animações, mas isso também significa que o ritmo diminuiu bastante, o torna o jogo mais difícil e um teste de paciência para os padrões atuais. Sendo uma versão para console, o conteúdo erótico foi censurado, mas isso não afeta em nada a história, já que o único conteúdo erótico do original era nudez. Takeru também não é mais o único personagem jogável, e agora é ajudado por algumas das guerreiras que ele salva, mas apenas uma de cada vez.

Comparativos de Fotos

Vídeos

MSX2:

PC-98:

PC Engine:

Trilha sonora do X68000:

À seguir: Dragon Knight II!

2 comentários sobre “Especial Dragon Knight, Parte 1: Dragon Knight

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s